39º Semana de Ilhabela día 1


© ROLEX/Carlo Borlenghi

© ROLEX/Carlo Borlenghi

© ROLEX/Carlo Borlenghi

Fuente info RISW

09 de julho de 2012 – 21h32
Regata de percurso médio testa resistência

A Rolex Ilhabela Sailing Week teve início nesta segunda-feira (9) com regata de percurso para as cinco classes que disputam o maior evento de vela oceânica da América Latina. Como a Eldorado Alcatrazes por Boreste – Marinha do Brasil foi cancelada por condições climáticas adversas, a organização resolveu antecipar a prova de percurso médio programada para quarta-feira. E, logo na estreia do campeonato, os velejadores testaram resistência em 30,4 milhas (56 quilômetros), com largada na Praia da Armação e contornando a Ilha de Búzios. Para os barcos menoresm, como os HPE, o trecho foi reduzido para 18,4 milhas (34 quilômetros), mas a flotilha também foi obrigada a enfrentar as constantes alterações de ventos (de 3 para 15 nós) e a correnteza. O fita azul do maior percurso foi o S40 Crioula, comandado por Eduardo Plass, enquanto no trajeto menor o primeiro a cruzar foi o Maria Preta, de José Baretti.

A estrela do medalhista olímpico Bruno Prada brilhou na primeira regata no leme do Ginga na classe HPE. O candidato ao ouro na Star em Londres foi decisivo na vitória com boa vantagem para os adversários. Mesmo relaxando antes dos Jogos, o proeiro de Robert Scheidt usou a experiência e seu timing de regata no percurso. “A flotilha é forte com pelo menos 10 barcos com chances de chegar ao título. Estou muito feliz porque conquistei minha primeira vitória em oceano numa regata longa, justamente no dia em que estou comemorando cinco anos do meu primeiro título mundial da Star, em Cascais, ao lado do Robert Scheidt”, relata Bruno Prada.

O barco, comandado por Breno Chvaicer, fez uma boa largada, escolhendo o lado oposto da flotilha, o que ajudou no resultado. “Fizemos uma largada maravilhosa por fora da Ilha de Búzios e fomos seguidos por apenas três barcos. Os demais foram mais próxima da Ilha. Montamos a primeira boia com 23 minutos de vantagem, que acabou caindo porque o vento diminuiu. Estou contente porque a regata de percurso é um desafio grande, quando você tem de fazer escolhas de caminhos, acertar as estratégias, enquanto na barla-sota são mais ângulos e contornos de boias”. Em segundo na HPE apareceu o SER Glass 10 anos (Júlio Sechetto), seguido pelo SX4/Bond Girl (Rique Wanderley).

“A regata foi bastante complicada. Conseguimos acertar todas as manobras e o melhor caminho. Deu até tempo de reduzir a enorme vantagem do Ginga. São coisas que ocorrem em provas mais longas. É possível acabar o vento do nada”, diz Júlio Cechetto, do Ser Glass 10 anos.

Treinos fizeram a diferença – Na S40, os gaúchos de Crioula mostraram que entrosamento faz a diferença. Os mais treinados na temporada na classe aproveitaram melhor a rajada para cruzar a linha de chegada na ponta. “Quem saiu bem no começo da regata ficou sem vento no meio. As condições estavam bastante complicadas e tivemos sorte de pegar a direção certa. Chegamos a ficar tão na frente, que não sabíamos o que fazer, estávamos sem parâmetros”, explica Samuel Albrecht, integrante do Crioula. “Fizemos mais de 40 regatas durante o ano e estamos evoluindo bem”.

A classificação da primeira regata de S40 terminou nesta ordem: Crioula (Eduardo Plass), Pajero/Gol (Eduardo Souza Ramos), Mitsubishi/Energisa (Torben Grael), Carioca (Roberto Martins) e o chileno Apolonia (Jaime Charad).

Na C30, outra classe de design único, surpresa na primeira colocação. O Kaikias foi o primeiro a cruzar a linha de chegada superando um dos favoritos, o Loyal TNT, que acabou em terceiro. Tarcísio Mattos, comandante do veleiro, destaca o dia de Mega Sena. “Foi uma regata loteria e nós tiramos a sorte grande. Acreditamos nas previsões, esperamos o vento e soubemos administrar a vantagem. Teve momentos de quase zero de vento e essa situação é muito ruim, pior do que com muito soprando”.

O +Realizado (José Luís Apud) fechou a raia em segundo, seguido por Loyal TNT (Marcelo Massa), Corta Vento (Carlos Augusto de Matos) e Barracuda (Humberto Diniz da Silva).

Para esta terça-feira (10), a previsão é de ventos de 9 nós de média na direção leste. A temperatura deve continuar amena, na casa dos 21 graus. A largada será dada a partir das 12h, com regatas no formato barla-sota, provavelmente na mesma região desta segunda-feira, no norte de Ilhabela, na Ponta das Canas.

Fita Azul – O dono dessa proeza é sempre o primeiro a cruzar a linha de chegada, mas pode não ser o vencedor nas classes RGS e ORC, que necessitam de uma fórmula para calcular quem teve o melhor desempenho. O dia de ventos irregulares e a tática da tripulação ajudou o Maria Preta (José Baretti) a ser o Fita Azul do percurso mais curto.

“As regatas barla-sota são completamente diferentes. Quando a prova é mais longa como nesta segunda-feira, o vento faz o que quer com o barcos e os resultados muitas vezes são imprevisíveis. A partir de agora a atenção será redobrada em manobras”, reforça Mário Buckup, tático do Maria Preta.

Apesar do bom resultado, o time precisa continuar com uma boa média nas provas desta terça para continuar a sonhar com o título da Rolex Ilhabela Sailing Week. A classe RGS é a maior da flotilha com 67 veleiros na raia e é subdivida em Maxi, A,B,C e Cruiser.

Na ORC, que também precisa do rating para igualar barcos de tamanhos diferentes, o Asa Alumínio (Mário Martinez) fez o percurso em 6h24min12 e lidera a divisão 500 . “Será difícil repetir o bom desempenho desta segunda na regata de barla-sota, porém temos uma equipe experiente e estamos na briga”, conta Mário Martinez, que conseguiu bater o grande favorito, o bicampeão Tomgape/Touché, de Ernesto Breda, segundo colocado.

Resultados da primeira regata:

S40
1º – Crioula (Eduardo Plass)
2º – Pajero/Gol (Eduardo Souza Ramos)
3º – Mitsubishi/Energisa (Torben Grael)
4º – Carioca (Roberto Martins)
5º – Apolonia (Jaime Charad)

C30
1º – Kaikias (Tarcisio Mattos)
2º – + Realizado (José Luís Apud)
3º – Loyal (Marcelo Massa)
4º – Corta Vento (Carlos Augusto de Matos)
5º – Barracuda (Humberto Diniz da Silva)

HPE
1º – Ginga (Bruno Prada)
2º – SER Glass Eternity (Marcelo Bellotti)
3º – SX4/Bond Girl (Rique Wanderley)
4º – Xavante (Roberto Aflalo)
5º – BSS (Marcelo Christiansen)

ORC 500
1º – Asa Alumínio (Mario Martinez) – 6h24min12
2º – Tomgape/Touché (Ernesto Breda) – a 9min11
3º – Angela Star (Peter Siemsen) – a 13min19
4º – San Chico (Francisco Freitas) – a 15min46
5º – Miragem (Paulo Roberto Freire) – a 23min18

ORC 600
1º – Montecristo (Eduardo Cardoso) – 6h52min24
2º – Zeus (Inácio Vandressen) – a 1min21
3º – Ventaneiro (Renato Cunha) – a 2min15
4º – Super Pimpo (José Luiz Couto/Hamilton Andrade) – a 5min59
5º – Marlim (Escola Naval) – a 15min10

ORC 650
1º – Katana (Francisco Luis Altenburg) – 5h46min59
2º – Bravíssimo (Ivan de Porto Alegre Muniz) – a 21min05
3º – Kiron (Leonardo Guilherme Cal) – a 21min24
4º – Maestrale (Adalberto Casaes Jr.) – DNF

ORC 700
1º – Prozak (Márcio Finamore) – 5h17min46
2º – Zeppa (Diego Zaragoza) – a 7min31
3º – Pachim Mar & Vela/Pacuíba (ARG- Leandro Sanches) – a 12min31
4º – Angra (Escola Naval) – a 38min12
5º – Mashallah (Guillermo Henderson Larrobla) – a 40min18

RGS Maxi
1º – Maria Preta (José Barreti)
2º -Harpia III (Le Vent Mistral)
3º – Saravah (Pierre Joullie)
4º – Sessentão (Alain Simon)
5º – Náutico II (ARG)

RGS A
1º – Troop Too (Luiz Eduardo de Lucena)
2º – Brekelé (Escola Naval)
3º – Fram (Felipe Aidar)
4º – Quiricomba (Escola Naval)
5º – Jylic II (Martin Bonato)

RGS B
1º – Palmares (José Romariz)
2º – Nomad (Mauro Dottori)
3º – Tangaroa (James Bellini)
4º – My Boy (Lars Muller)
5º – Asbar II (Sérgio Keplacz)

RGS C
1º – Mandinga (Jonas Penteado)
2º – Xiliki (Flávio Cantanhede)
3º – Aloha (Renato Nonno)
4º – Ariel (Luiz Pimenta)
5º – Azulão (Marcello Polônio)

RGS Cruiser A
1º – Sailing Adv. Travessura (Sérgio Gomes)
2º – Chrispin II Kelvin Clima (José Carlos de Souza)
3º – Magaratz (Cláudio Birolini)
4º – For Sale (Décio Goldfarb)
5º – Charlie Bravo (Prefeitura de Ilhabela)

RGS Cruiser B
1º – Boccalupo (Cláudio Melaragno)
2º – Hélios II – Hospital Sírio Libanês (Marcos Lobo)
3º – Cocoon (Luiz Caggiano)
4º – Austral (Antônio de Faria)
5º – BL3 / Alísios Wind Náutica (Domingos Carelli Neto)

Principal evento náutico esportivo da América Latina, a Rolex Ilhabela Sailing Week tem patrocínio titular da Rolex e patrocínios ouro da Mitsubishi Motors e da Semp Toshiba e prata do Bradesco Private. O evento tem apoios da Marinha do Brasil, da Confederação Brasileira de Vela e Motor (CBVM), das Classes ORC, S40, HPE, C30 e BRA-RGS, e parcerias da Prefeitura Municipal de Ilhabela (PMI), do Yacht Club Argentino (YCA), e da Brancante Seguros. A organização, sede e a realização são do Yacht Club de Ilhabela (YCI).

Resultados completos click acá

5 pensamientos en “39º Semana de Ilhabela día 1

    • Son solo 5 barcos, 4 brasileños y el Patagonia que lo esta corriendo la gente del Apolonia chileno. Este año la Semana de Ilhabela no forma parte de la Mitsubishi Cup como el año pasado por eso tantas ausencias.
      Saludos

  1. Lamentablemente La Semana de Vela ya no cuenta con tanta concurrencia internacional como en años anteriores, y por algun motivo ha decaido en los ultimos años el gran interes que despertaba anteriormente. Ojala vuelva a ser una fiesta de la vela sudamericana y no solo brasilera, el evento y el lugar se lo merece aunque no sea la mejor cancha de regatas.

  2. cadario busca info pero me parece que en hape este anio estan de nuevo eze despontin y nacho y van ganando.
    Gracias por tenernos informados aca en cordoba

Deja un comentario

Puedes usar las siguientes etiquetas y atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


× nueve = 18