39º Semana de Ilhabela día 2


© Rolex/Carlo Borlenghi

Fuente info RISW

10 de julho de 2012 – 21h37
Equipes treinadas levam vantagem

A Rolex Ilhabela Sailing Week completou o segundo dia de regatas e o panorama das provas mudou. A partir de agora com o percurso barla-sota, os velejadores precisam apostar mais nos fundamentos como largada e contorno de boia, e menos nas escolhas corretas dos melhores caminhos, como foi na estreia com um trajeto mais longo e desgastante. Nesta terça-feira (10), a Comissão fez as regatas com ventos variando de 8 a 12 nós na direção leste. Foram duas para as cinco classes (ORC, RGS, S40, C30 e HPE).

Na ORC, a classe dos barcos grandes, o Tomgape / Touché (Ernesto Breda) confirmou o favoritismo e provou que a equipe está treinada para percursos barla-sota. “O vento atrapalhou bastante no dia anterior. Não era o que estava previsto e perdemos velocidade. Nosso rating de barla-sota é bom e no percurso nem tanto”, revela Ernesto Breda.

O experiente velejador fez até uma comparação com o futebol e com os resultados atuais dos times brasileiros. “Na vela não é diferente. Quem treina mais pode vencer uma equipe mais talentosa. A persistência nos treinos é fundamental. Para se dar bem na nossa modalidade, o velejador precisa de uma soma de experiências, que podem ser adquiridas nos treinamentos ou nas regatas”, explica o comandante do veleiro bicampeão da ORC.

A classificação geral da ORC 500 aponta Tomgape / Touché (Ernesto Breda) com apenas três pontos perdidos. Na sequência aparecem Tembó Guaçu (Osvaldo Bagnoli) e Angela Star (Peter Siemsen). Na 600, a liderança é do Ventaneiro (Renato Cunha), na 650 do Kiron (Leonardo Kal) e na 700 é do argentino Pachim Mar & Vela/Pacuíba (Leandro Sanches).

One design – Novo líder da C30, o Loyal TNT (Marcelo Massa) venceu as duas regatas do dia. A resposta do comandante Marcelo Massa foi a mesma do colega e antigo adversário Ernesto Breda: treino. “Nos últimos anos, nossa equipe foi a que mais se dedicou aos treinamentos. Mesmo mudando de classe (saiu da ORC para C30), nós conseguimos manter a base da tripulação, com nomes de peso na vela nacional como Alexandre Paradeda. Esse é o nosso maior investimento”.

O Loyal TNT, que é um C30, conseguiu andar mais rápido que um S40 – superou o Apolonia na segunda regata. Fato raro, já que o veleiro é menor do que o Soto40. “A largada fez a diferença e conseguimos montar a boia na frente de um S40. Isso é resultado de um bom acerto do equipamento e da melhor estratégia”, ressalta Fábio Pillar, que integra o Loyal TNT.

Na S40, os chilenos do Apolonia (Jaime Charad) se recuperaram do primeiro dia. Mais focados, os sul-americanos fecharam a primeira regata com sobras na frente, devido a uma boa largada. Na segunda, melhor para os gaúchos do Crioula (Eduardo Plass), que lideram na geral. “A estratégia é a mesma para as próximas regatas. Conseguimos um bom resultado até agora, mas não podemos relaxar”, avalia Samuel Albrecht, do Crioula.

Na classe HPE, o equilíbrio é o que mais chama atenção. Prova disso é que o líder BSS (Marcelo Christiansen) não venceu nenhuma regata. O descarte deve entrar nesta quarta-feira (11) e pode mudar todo o campeonato. Na sequência aparecem SX4/Bond Girl (Rique Wanderley) e Ginga (Bruno Prada).

Resultados acumulados:

S40 – após 3 regatas
1º – Crioula (Eduardo Plass) – 7 pontos perdidos (1+5+1)
2º – Pajero/Gol (Eduardo Souza Ramos) – 7 pp (2+2+3)
3º – Carioca (Roberto Martins) – 9 pp (4+3+2)
4º – Mitsubishi/Energisa (Torben Grael) – 3 pp (3+4+4)
5º – Apolonia (Jaime Charad) – 5 pp (5+1+5)

C30 – após 3 regatas
1º – Loyal (Marcelo Massa) – 5 pp (3+1+1)
2º – Barracuda (Humberto Diniz da Silva) – 10 pp (5+2+3)
3º – Kaikias (Tarcisio Mattos) – 11 pp (1+5+5)
4º – Katana (Fábio Filippon) – 11 pp (6+3+2)
5º – Corta Vento (Carlos Augusto de Matos) – 12 pp (4+4+4)

HPE – após 3 regatas
1º – BSS (Marcelo Christiansen) – 10 pp (5+2+3)
2º – SX4/Bond Girl (Rique Wanderley) – 11 pp (3+1+7)
3º – Ginga (Bruno Prada) – 12 pp (1+9+2)
4º – Bixiga (Pino Di Segn – 17 pp (6+7+4)
5º – Relaxa/Next (Roberto Mangabeira) – 22 pp (13+8+1)

ORC 500 – após 3 regatas
1º – Tomgape/Touché (Ernesto Breda) – 3 pp (2+1+1)
2º – Tembó Guaçu (Osvaldo Bagnoli) – 10 pp (6+2+2)
3º – Angela Star (Peter Siemsen) – 12 pp (3+5+4)
4º – Chroma(Luis Crescenzo) – 13 pp (7+3+3)
5º – Asa Alumínio (Mario Martinez) – 14 pp (1+7+6)

ORC 600 – após três regatas
1º – Ventaneiro (Renato Cunha) – 7 pp (3+3+1)
2º – Zeus (Inácio Vandressen) – 7 pp (2+2+3)
3º – Mad Max (ARG – Julian Somodi) – 14 pp (11+1+4)
4º – Marlim (Escola Naval) – 18 pp (5+6+7)
5º – Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva) – 19 pp (6+5+8)

ORC 650 – após três regatas
1º – Kiron (Leonardo Guilherme Cal) – 5 pp (3+1+1)
2º – Bravíssimo (Ivan de Porto Alegre Muniz) – 6 pp (2+2+2)
3º – Katana (Francisco Luis Altenburg) – 9 PP (1+4+4)
4º – Maestrale (Adalberto Casaes Jr.) – 11 pp (5DNF+3+3)

ORC 700 – após três regatas
1º – Pachim Mar & Vela/Pacuíba (ARG- Leandro Sanches) – 6 pp (3+1+2)
2º – Zeppa (Diego Zaragoza) – 6 pp (1+2+3)
3º – Prozak (Márcio Finamore) – 8 pp (2+5+1)
4º – Angra (Escola Naval) – 11 pp (4+3+4)
5º – E-Ratix Siriúba (CHI – Carlos Parrague Ayala) – 14 pp (5+4+5)

RGS Maxi – após três regatas
1º – Maria Preta (José Barreti) – 4 pp (1+2+1)
2º – Saravah (Pierre Joullie) – 6 pp (3+1+2)
3º – Harpia III (Le Vent Mistral) – 9 pp (2+3+4)
4º – Náutico II (ARG) – 12 pp (5+4+3)
5º – Sessentão (Alain Simon) – 14pp (4+5+5)

Coletivas com Bruno Prada e Philippe Cousteau – A Rolex Ilhabela Sailing Week programa para a semana entrevistas coletivas com os principais personagens da 39ª edição do maior evento náutico da América Latina. Nesta quinta-feira (12), às 18 horas, o medalhista olímpico Bruno Prada, que disputa as regatas na classe HPE, irá conceder a última entrevista antes de embarcar para os Jogos de 2012. O proeiro e Robert Scheidt tentarão o ouro na classe Star.

No dia seguinte, na sexta-feira(13), o evento terá a presença de uma das maiores lideranças mundiais em sustentabilidade: Philippe Cousteau Jr., neto do lendário Jacques Cousteau. O ativista ambiental norte-americano fará a palestra “Condição do Oceano e Soluções Possíveis”, marcada para as 18 horas. Antes, às 16h30, ao lado Thassanee Wanick, fundadora de GBC Brasil (Green Building Council Brasil), Philippe Cousteau Jr. receberá a imprensa no Yacht Club de Ilhabela.

Principal evento náutico esportivo da América Latina, a Rolex Ilhabela Sailing Week tem patrocínio titular da Rolex e patrocínios ouro da Mitsubishi Motors e da Semp Toshiba e prata do Bradesco Private. O evento tem apoios da Marinha do Brasil, da Confederação Brasileira de Vela e Motor (CBVM), das Classes ORC, S40, HPE, C30 e BRA-RGS, e parcerias da Prefeitura Municipal de Ilhabela (PMI), do Yacht Club Argentino (YCA), e da Brancante Seguros. A organização, sede e a realização são do Yacht Club de Ilhabela (YCI).

5 pensamientos en “39º Semana de Ilhabela día 2

  1. Me pregunto si quedara mercado para mas ONE como el Soto 30? ahora q en Argentina tenemos el S33 y en brasil el C30….todos hermosos barcos…pero.. a la larga mas vale q midan todos en alguna formula ya q el ciclo de vida de las clases no es muy largo por estos lados..

    Por otro lado la semana de ilhabella se torno muy elitista parece..

    • Muy, muy elitista – um HPE custa US$ 60.000,00 com um jogo de velas que dura só uma temporada. O C30 não tem nada de barato, e o S40 é um clubinho de gente milionária.

  2. “S” de acá, “S” de allá, pero lo mejorcito lo veo en ORC… 600: MAD MAX (ARG) tercero y 700: Pachim Mar Primero…. ¿O es que estos barcos no existen y solo valen los “S”?????

Deja un comentario

Puedes usar las siguientes etiquetas y atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


siete × 5 =